PHC FX é para ganhar quota de mercado

É a primeira iniciativa da PHC no espaço do software como serviço e dirige-se ao segmento das micro-empresas. Em 12 meses, a companhia pretende conquistar perto de 200 clientes, sem basear-se na migração da base instalada.

Ricardo Parreira

Mais do que uma aplicação, a PHC diz estar a lançar uma plataforma sobre a qual deverá disponibilizar a sua oferta de software como serviço e cloud computing, segundo o director-geral da empresa, Ricardo Parreira, 5 a 10% do negócio de aplicações de negócio estará assente numa plataforma de cloud computing, dependendo da oferta. Para já, a nova oferta da empresa, PHC FX, é para micro-empresas, segmento que a empresa pretende abordar, para ganhar quota de mercado. Os objectivos da empresa não passam pela migração dos mais de 20 mil clientes, ressalva o responsável. Embora mais tarde a oferta vá evoluir para versões mais avançadas: já em 2011 haverá uma versão Advanced. “Em 12 meses, queremos ter perto de 200 clientes”, estabelece Parreira.
E em cincos anos, o director quer chegar aos cinco mil clientes, altura em que o negócio terá impacto “importante”. Para já será residual, e é mais uma solução estratégica de acordo com o executivo. “O que se está a passar hoje é o renascimento da venda de software. Vão aparecer empresas novas com ideias interessantes e estamos a contar com essa concorrência”, diz.O canal da PHC terá um papel ligeiramente diferente do que tem agora, mas as vendas do serviço vão passar todas por ele. “Apesar de a solução ter condições para os clientes aprenderem a usá-la, há sempre clientes que gostam de esclarecer as suas dúvidas por telefone”, explica. Depois, lembra o director-geral, “o negócio ainda passa por questões de confiança”. E além disso, nos serviços de gama mais elevada, os parceiros terão um papel mais forte, de adaptação aos clientes, entre outras tarefas.
Pelo serviço proposto, o fabricante português deverá cobrar 49 euros para uma típica micro-empresa, como valor mensal. O preço é estruturado da seguinte maneira: 39 euros pelo software, incluindo dois utilizadores em simultâneo, ao que se acrescenta o preço do alojamento no centros de dados, que depende do tamanho da base de dados – 500 MB custarão perto de dez euros e chegam para 16 mil facturações; 11 mil e-mails , e cinco mil clientes de acordo com o responsável.
A plataforma é multilingue e pode ser adaptada aos regimes fiscais de toda a união europeia. Essas características servem o objectivo de vender o produto no estrangeiro. “Vamos falar com prestadores locais para eles fornecerem o PHC FX com a oferta deles”, acrescenta o director-geral da PHC.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado