HP transfere Superdome para plataforma de blade

O fabricante espera revitalizar o segmento dos seus servidores Itanium usando um desenho de blade mais padronizado. As novas máquinas incluem três blades Integrity e um servidor em formato de rack.

A HP revelou  várias actualizações importantes à sua linha de servidores baseada em processadores Itanium, incluindo uma nova edição dos seus sistemas Superdome, baseada na arquitectura de servidores.
Os novos sistemas, entre os quais três blades Integrity e um servidor em formato de rack, são todos baseados no processador Intel Itanium 9300, conhecidos também como Tukwila.
O Superdome 2 é a primeira grande actualização ao sistema Superdome desde que foi lançado há uma década. Embora o original tenha a sua própria estrutura de alojamento, o Superdome 2 foi preparado para ser integrado numa arquitectura  Blade Scale capaz de permitir que seja alojada numa rack de servidores, usando um chassis de blade HP 7000. Os clientes serão capazes de gerir os servidores com as mesmas ferramentas usadas para outros sistemas blade da HP, incluindo o Onboard Administrator e o Virtual Connect.
A passagem para uma arquitectura de blade mais padronizada é uma questão importante para o lançamento dos Integrity, e um factor de redução de custos de propriedade. Os três novos Integrity são baseados também na arquitectura BladeSystem, e os clientes serão agora capazes de gerir blades Integrity, ProLiant e StorageWorks na mesma célula, disse a HP.
“Estamos a trazer as capacidades de missão cítica do Integrity para um ambiente de infra-estrutura convergente,” disse Lorraine Bartlett, vice-president de marketing para os sistemas de missão crítica da HP.
Ao migrar para uma arquitectura de blade a HP também deve ajudar a HP a reduzir custos de desenvolvimento,  porque será capaz  de usar tecnologias desenvolvidas para plataformas de maior volume. A Intel está a seguir uma rota semelhante apar alguns dos seus componentes de Itanium. “Passa tudo pela necessidade de minimizar o custo de colocar uma plataforma no mercado,” comentou o analista da Burton Group, Nik Simpson.

HP transfere Superdome para plataforma de blade

O fabricante espera revitalizar o segmento dos seus servidores Itanium usando um desenho de blade mais padronizado. As novas máquinas incluem três blades Integrity e um servidor em formato de rack.

A HP revelou várias actualizações importantes à sua linha de servidores baseada em processadores Itanium, incluindo uma nova edição dos seus sistemas Superdome, baseada na arquitectura de servidores.

Os novos sistemas, entre os quais três blades Integrity e um servidor em formato de rack, são todos baseados no processador Intel Itanium 9300, conhecidos também como Tukwila.

O Superdome 2 é a primeira grande actualização ao sistema Superdome desde que foi lançado há uma década. Embora o original tenha a sua própria estrutura de alojamento, o Superdome 2 foi preparado para ser integrado numa arquitectura Blade Scale capaz de permitir que seja alojada numa rack de servidores, usando um chassis de blade HP 7000. Os clientes serão capazes de gerir os servidores com as mesmas ferramentas usadas para outros sistemas blade da HP, incluindo o Onboard Administrator e o Virtual Connect.

A passagem para uma arquitectura de blade mais padronizada é uma questão importante para o lançamento dos Integrity, e um factor de redução de custos de propriedade. Os três novos Integrity são baseados também na arquitectura BladeSystem, e os clientes serão agora capazes de gerir blades Integrity, ProLiant e StorageWorks na mesma célula, disse a HP.

“Estamos a trazer as capacidades de missão cítica do Integrity para um ambiente de infra-estrutura convergente,” disse Lorraine Bartlett, vice-president de marketing para os sistemas de missão crítica da HP.

Ao migrar para uma arquitectura de blade a HP também deve ajudar a HP a reduzir custos de desenvolvimento, porque será capaz de usar tecnologias desenvolvidas para plataformas de maior volume. A Intel está a seguir uma rota semelhante apar alguns dos seus componentes de Itanium. “Passa tudo pela necessidade de minimizar o custo de colocar uma plataforma no mercado,” comentou o analista da Burton Group, Nik Simpson.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado