EUA, Europa e Japão querem métrica única de eficiência energética

Grupos da indústria e agências governamentais dos Estados Unidos, Europa e Japão chegaram a um acordo sobre como medir a eficiência energética dos data centers, método que deverá ser anunciado já esta semana.

O acordo é visto como importante passo, já que estabelece uma métrica comum que diversos tipos de data centers, em diferentes partes do mundo, podem usar para reportar o seu nível de eficiência energética. Esta métrica pode servir de referência para as empresas que queiram avaliar a eficiência de seus próprios data centers e também para avaliar a eficácia das técnicas de poupança energética. O acordo é invulgar devido ao seu nível de cooperação internacional. Liderado pelo consórcio da indústria dos EUA, Green Grid, o acordo foi assinado entre o Departamento de Energia dos EUA, o gabinete gestor do Código de Conduta da União Europeia e o Ministério da Economia do Japão.
Os participantes chegaram a um acordo para adoptar o Power Usage Effectiveness, ou PUE, como métrica para “eficiência energética preferencial”, diz o comunicado do Green Grid. O PUE, desenvolvido pela Green Grid, divide o total da energia consumida por um data center pela quantidade de energia usada para alimentar os equipamentos de TI. O resultado mostra o total de energia perdido em sistemas mecânicos e eléctricos.
A escolha do PUE não é nenhuma surpresa, já que surgiu como a mais popular métrica para medir a eficácia dos data centers, e algumas grandes empresas, como a Microsoft e o Google, já publicaram números do PUE como uma forma de mostrar a eficiência das suas instalações mais recentes.
Ainda não existe um método padrão para o cálculo do PUE, e os grupos que participam no acordo ainda têm algum trabalho a fazer, nomeadamente definir como serão as medições da energia total consumida por um data center.
O acordo é resultado de várias reuniões entre todos os organismos envolvidos no projecto. Em Janeiro passado, os representantes da Environmental Protection Agency (EPA – responsável pela protecção do ambiente nos EUA) reuniram-se com vários grupos de data centers da indústria nos Estados Unidos, incluindo o Exchange e o 7×24 ASHRAE (American Society of Heating, Refrigerating and Air Conditioning Engineers).
O Green Grid também mantém conversas com representantes da China, Índia e outros grandes mercados, com o objectivo de os trazer a bordo da iniciativa. As pressões ambientais, incluindo as emissões de carbono, estão a forçar as empresas a serem mais conscientes sobre seu consumo de energia. Nos EUA, a Securities and Exchange Commission – órgão equivalente à Comissão de Valores Mobiliários – publicou novas orientações no mês passado sobre os riscos relacionados com as mudanças climáticas que as empresas públicas devem divulgar aos investidores.


Artigo seguinte


Deixe um comentário

O seu email não será publicado