Opção de escolha de browsers alivia relações entre CE e Microsoft

s relações entre a Microsoft e a Comissão Europeia tendem a ficar menos tensas, agora que a última batalha entre ambas parece ter chegado ao fim, com o início da liberdade de escolha dos navegadores Web por parte dos utilizadores do Windows.

A Microsoft e a Comissão Europeia tinham acordado em Outubro passado que os utilizadores do Windows passariam a poder seleccionar um de 11 navegadores Web à sua escolha, não sendo obrigados a utilizar o Internet Explorer. “Esta era a última nuvem negra que ensombrava as nossas relações e, agora, acredito que essa nuvem já tenha passado”, afirma Jan Muehlfeit, presidente da Microsoft para a Europa, mostrando-se aliviado por “podermos finalmente pôr tudo isto para trás das costas”.
O acordo surgiu após uma década de discussões amargas entre as duas partes, com a Microsoft a ser acusada de práticas monopolistas na forma como impunha o Internet Explorer. A companhia foi, ainda, acusada de não disponibilizar suficientes informações de interoperabilidade aos seus concorrentes, necessárias para que estes pudessem criar produtos compatíveis com o Windows.
Na passada terça-feira, a Comissão Europeia emitiu um comunicado em que se manifestava muito agradada com o lançamento do programa de escolha dos navegadores Web, acrescentando que a janela que permite aos utilizadores essa selecção deverá ser apresentada em 100 milhões de computadores da Europa até meados de Maio.
“O aumento da concorrência no mercado dos browsers deverá também estimular o uso de standards Web abertos, algo crítico para o futuro desenvolvimento de uma Internet mais aberta”, afirmou Joaquin Almunia, comissário europeu para a concorrência, em comunicado.
Os utilizadores que comprem um PC novo terão igualmente acesso à janela de selecção do seu browser. A Microsoft comprometeu-se a dar continuidade a este processo ao longo dos próximos cinco anos, estando obrigada a reportar à Comissão Europeia os avanços do programa.
Os fabricantes de computadores podem agora instalar outros navegadores Web nos sistemas Windows, a par do Internet Explorer. Como parte do acordo, a Microsoft assegura que não vai retaliar contra os fabricantes de PC que instalem outros browsers nas novas máquinas.
Jan Muehlfeit afirmou que o acordo com a Comissão Europeia vem também mostrar como a Microsoft mudou ao longo da última década, até porque foi a própria companhia a apresentar a melhor solução técnica para este programa de escolhas assim que a Comissão Europeia manifestou a sua preocupação quanto ao domínio do Internet Explorer.
“A indústria era totalmente diferente há 10 anos, quando as questões relacionadas com as práticas monopolistas surgiram. Se eu acredito que passámos por um processo de aprendizagem? Sem Dúvida”, sustenta o mesmo responsável.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado