Retalhistas perdem milhões em vendas devido à lentidão dos sites

Os consumidores britânicos gastaram 38 mil milhões de libras em compras online no ano passado, mas mesmo assim as lojas electrónicas perderam cerca de 5,7 mil milhões de libras como resultado de problemas com os seus websites.

Em particular devido à lentidão de carregamento das páginas. Esta é uma das conclusões de um estudo realizado recentemente pela Zeus Technology. O estudo, que se baseou no inquérito a duas mil pessoas, concluiu que, em média, cada um dos consumidores deixou 5,5 transacções online a meio nos últimos 12 meses, correspondentes a um gasto médio por pessoa de 30 libras. De acordo com o estudo, 46 por cento desses consumidores atribui à lentidão das páginas a culpa por abandonarem as compras a meio.
Mais de oito em cada 10 consumidores dizem que a má qualidade de um website é razão suficiente para os dissuadir de concluir uma compra online, sendo que essa falta de qualidade poderia igualmente fazer com que deixassem de realizar compra nas lojas físicas da empresa. Um quarto dos consumidores inquiridos mostrou-se ainda desagradado com a publicidade presente nos sites dos retalhistas e 16 por cento disseram que não gostam da navegação da maioria dos sites.
Sete em cada 10 consumidores inquiridos manifestaram também a opinião que os que compram regularmente num determinado site deveriam ter uma melhor experiência Web que aqueles que apenas passeiam pelas páginas de vez em quando.
A decisão por parte de muitos retalhistas de usarem imagens e vídeo para tornar os seus websites mais atractivos está, ao que tudo indica, a ter um impacto negativo na performance. De acordo com o estudo, 70 por cento dos consumidores dizem que desesperam com a demora de muitos sites a carregar imagens, bem como com a fraca qualidade dos vídeos apresentados.
Neil Barton, director da empresa de alojamento e virtualização Hostway, que encomendou o estudo à Zeus Technology, conta que “mais de dois terços dos inquiridos gastaram cerca de dois dias e meio por ano à espera que os sites onde fazem compras carreguem totalmente”.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado