Empresa mantém alegações acerca do impacto do Windows 7 na memória dos PC

‘Todos julgam que são peritos em performance’, refuta Devil Mountain, CTO da Devil Mountain.

A empresa norte-americana que afirmou esta semana que os computadores equipados com o sistema operativo Windows 7 esgotam mais facilmente a sua memória disponível, prejudicando o seu desempenho, veio agora defender as suas conclusões após ter recebido muitas críticas pelas afirmações proferidas.
“Todos julgam que são peritos em performance do Windows”, sustenta Craig Barth, o CTO da Devil Mountain Software, um fabricante de software de aferição de performance, para quem “as pessoas se limitam a olhar para os seus equipamentos e a afirmar ‘o meu PC não tem esse problema’”.
Craig Barth reagiu assim à avalanche de críticas que as suas alegações desta semana geraram. Recorde-se que a rede de aferição de performance XPnet da Blue Mountain concluiu que 86 por cento dos 23 mil computadores equipados com Windows 7 que monitoriza apresentam sinais severos de exaustão da sua memória disponível.
No entanto, muitos consideram as afirmações da XPnet um autêntico disparate. “São considerações vagas de uma entidade que poucos conhecem e que não deve, por isso, ser entendida como uma fonte fidedigna”, acusa Micah Haber, um dos leitores do Computerworld nos Estados Unidos, onde a história foi originalmente publicada.
Aliás, foram vários os leitores a acusar a XPnet de espalhar FUD (sigla em inglês para fear, uncertainty and doubt – medo, incerteza e dúvida). “Um bom sistema operativo nunca tem muita memória RAM disponível, alocando em vez disso a RAM não utilizada para os buffers e memória cache”, argumenta Kevin Pieckeil, outro leitor, acrescentando que “ter apenas alguns megabytes de RAM ‘livre’ não significa de todo que os recursos de memória do sistema estão esgotados”.
Inúmeros leitores, incluindo Haber, fizeram precisamente aquilo de que Craig Barth se queixou: citaram os números das suas próprias máquinas. “Curiosamente, os dois computadores que tenho, e que antes tinham o XP e o Vista, apresentam uma menor utilização da memória agora que têm o Windows 7”, acrescenta Micah Haber, especificando que “ambos têm 2GB de RAM e utilizam normalmente cerca de 38 a 52 por cento da memória RAM física disponível.
Outros leitores foram ainda mais longe. “Existem tantas incorrecções neste artigo que nem sei por onde começar”, afirmou um leitor identificado apenas como “cregan89” num comentário online. “Nem por um momento acredito nas alegações da XPnet. Não posso, por isso, deixar de classificar este artigo como uma mentira absoluta”.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado