Crescem os downloads de aplicações móveis

Os utilizadores de equipamentos móveis vão fazer a descarga de aplicações móveis no valor total de 6,2 mil milhões de dólares a partir de lojas online durante este ano, praticamente duplicando o que foi gasto neste tipo de software em 2009.

Contudo, o Gartner deixa uma preocupação no ar, que se prende com as dúvidas acerca dos lucros reais que estas vendas implicarão para os criadores das aplicações móveis.
Cerca de 80 por cento das aplicações destinadas a dispositivos móveis já podem ser descarregadas de forma gratuita a partir de lojas online. O Gartner baseia, por isso, as previsões de receitas nos restantes 20 por cento dos produtos vendidos. Alguns fabricantes incluem publicidade dentro das suas aplicações gratuitas, o que o Gartner estima que irá gerar receitas adicionais no valor de 600 milhões de dólares.
Os fabricantes de software para dispositivos móveis estão também a beneficiar as suas vendas ao dar aos utilizadores das aplicações gratuitas a possibilidade de adquirir actualizações e melhoramentos mediante o pagamento de uma taxa.

A analista do Gartner, Carolina Milanesi, dá um exemplo desta estratégia: os utilizadores da aplicação gratuita Touchnote Postcard para o iPhone podem utilizar o serviço para enviar cartões postais com fotos personalizadas, através do pagamento de 1,49 dólares.
Uma das dúvidas do Gartner bem presentes neste relatório prende-se com a real rentabilidade das empresas produtoras de aplicações móveis. A consultora não analisa essa rentabilidade no estudo, com base nas vendas as aplicações móveis, mas já veio avisar que pretende fazê-lo num futuro muito próximo. Com efeito, a maioria das consultoras de mercado especializadas em TI está a dar os primeiros passos na aferição da rentabilidade do negócio das aplicações para dispositivos móveis, não tendo ainda apontado qual ou quais os modelos de negócio que poderiam ser os mais bem sucedidos financeiramente. “Nesta altura, apenas posso dizer que este não é seguramente um negócio fácil”, sublinha Carolina Milanesi.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado