IDC prevê crescimento do mercado mundial de PC

O número de computadores pessoais vendidos em todo o mundo vai aumentar dois dígitos ao ano até 2013, sendo este crescimento motivado sobretudo pelo aumento na despesa das empresas e na procura por computadores portáteis e netbooks.

O número total de máquinas vendidas no mundo pode crescer 10,3 por cento em 2010, alcançando os 321,4 milhões de unidades no próximo ano, contra os 291,4 milhões em 2009. O número de unidades vendidas deverá continuar a crescer ano após ano e pode atingir os 444,4 milhões em 2013, um crescimento de 38,3 por cento em relação a 2009.
Mas enquanto os consumidores fazem a transição para produtos portáteis como notebooks e netbooks, a procura por desktops deverá diminuir. A venda de computadores portáteis passar dos 165,2 milhões de unidades em 2009 para os 312,5 milhões em 2013. Em contraste, a venda de desktops vai ter um pequeno crescimento, dos 126,2 milhões em 2009 para os 131,9 milhões em 2013.
O mercado de computadores registou uma ligeira queda durante os três primeiros trimestres de 2009, em comparação com o mesmo período de 2008, em parte devido à dificuldade das condições económicas, que causaram uma diminuição na despesa de consumidores e empresas, segundo a IDC. Porém, a queda nos preços dos computadores e a renovação dos parques de PCs por parte das empresas podem ajudar o mercado a crescer, disse a consultora.
“O envelhecimento da base instalada de computadores que agora serão trocados, além do apoio dos governos e a queda doa preço são ingredientes para uma receita de retoma nas vendas de PC”, disse o director de investigação da IDC, Richard Shim, em comunicado. “A combinação de um mercado em recuperação e de um consumo mais saudável vai levar a um crescimento de dois dígitos nas vendas até 2013”, afirmou.
Os fabricantes de computadores estão, entretanto, a tentar introduzir novas tecnologias em portáteis para atrair mais compradores, disse por seu turno o analista da IDC, Jay Chou. As empresas estão a apostar no lançamento de modelos ultra-finos, painéis LED e ecrãs touch screen nos computadores. “Além de estabilizar os negócios, os fabricantes estão a tentar posicionar-se de forma a conseguirem lucrar com a recuperação do mercado”, sublinhou Chou.
Muito do crescimento do mercado será em mercados emergentes, que crescerão “dois dígitos”, enquanto os mercados mais maduros terão um crescimento estável, segundo a IDC. Refira-se que os mercados emergentes já contabilizam metade das vendas mundiais de PC em termos de unidades.
A IDC também prevê que o crescimento na venda de portáteis pode ser ameaçado pelos novos modelos ultra-finos com preços competitivos. Estes computadores ultra-leves são tão portáteis quanto os netbooks e um garantem desempenho adequado para executar a maioria das aplicações multimédia em alta definição e jogos online.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado