Sob o signo da retoma e da transformação

Após um ano de recessão das actividades económicas que afectou o investimento em tecnologias de informação e comunicações (TIC), as previsões da International Data Corporation (IDC) apontam para uma “recuperação modesta” da despesa no próximo ano.

Mas, e de acordo com os analistas da IDC, esta recuperação não significa um “regresso à situação anterior à crise”. Pelo contrário, irá assistir-se a uma “profunda transformação” do mercado a nível mundial. E esta transformação será liderada pela procura dos mercados emergentes, pela emergência do modelo de serviços de computação na ‘nuvem’, pela “explosão dos equipamentos móveis pela implementação de redes de comunicação de alta velocidade, explicam os analistas da IDC.
Segundo os dados disponibilizados pela IDC, em 2010, a despesa com TIC deverá crescer 3,2% na indústria de tecnologias de informação e 3% na indústria de telecomunicações.
Os analistas da IDC referem ainda que são as economias emergentes que irão sustentar a recuperação da indústria de TIC no decorrer do próximo ano, nomeadamente a China (9%), a Índia (13%), o Brasil (8%) e a Rússia (8%). Contrariamente ao que sucede com estas economias, as economias mais maduras vão registar taxas de crescimento bastante mais moderadas – Estados Unidos (3%), Europa (1%). Os analistas da IDC destacam ainda que as pequenas e médias empresas são “outra forma de mercado emergente” para a indústria de TIC, registando uma taxa de crescimento de 3,5% no próximo ano (1,4 pontos percentuais acima da despesa das grandes organizações).

‘Cloud computing’ vai ser uma realidade em 2010
Apesar da recuperação do investimento no decorrer do próximo ano, os analistas da IDC sublinham ainda nas suas previsões a importância da “transformação profunda” da indústria. E a “maturidade” do novo modelo de computação em nuvem é uma destas transformações, em particular no que diz respeito ao aparecimento de serviços de computação em nuvem adequados às grandes organizações empresariais. Na opinião dos analistas da IDC, a “balalha pelo domínio das soluções Platform as a Service (PaaS) irá “aquecer no decorrer do próximo ano, nomeadamente através de novos concorrentes (IBM, Oracle) que se irão juntar aos existentes – Microsoft, Google. Por outro lado, os analistas da IDC antecipam que, no decorrer do próximo ano, irão multiplicar-se as ofertas de serviços de computação em nuvem públicos nas áreas do armazenamento, das aplicações analíticas, das aplicações de negócio e das aplicações de produtividade pessoal. Paralelamente, e tendo em conta as preocupações com a segurança das grandes empresas, 2010 será o ano dos primeiros projectos de serviços de computação em nuvem privados, assim como deverão aparecer no mercado mundial os primeiros equipamentos que integram serviços de computação em nuvem, salientam os analistas da IDC nas suas previsões.

Triunfo dos equipamentos móveis
Em 2010, e apesar da IDC prever vendas demais de 300 milhões de computadores pessoais, os equipamentos móveis vão emergir como uma alternativa aos computadores pessoais. Segundo as previsões efectuadas pela IDC, no decorrer do próximo ano, vão ser comercializados mais de 200 milhões de ‘smartphones’ a nível mundial (iPhone, Blackberry, Nokia, Windows Mobile e Android), assim como vão existir mais de mil milhões de equipamentos móveis com acesso à Internet.
Esta nova realidade, que irá acelerar com o lançamento do iPad – o novo tablet PC desenvolvido pela Apple – e com o aparecimento de ‘smartphones’ com preços abaixo dos 150 dólares, tem vindo a provocar uma explosão no desenvolvimento de aplicações para plataformas móveis. Com efeito, e segundo dados da IDC, existem mais de cem mil aplicações para o iPhone, enquanto que há um ano atrás este número não ultrapassava as 10 mil aplicações. E as previsões da IDC apontam para que, até final do próximo ano, este número ultrapasse as 300 mil aplicações disponíveis. A título de exemplo refira-se que existem somente 10 mil aplicações disponíveis para o sistema operativo Windows 7.
Os analistas da IDC sublinham ainda que as vendas de ‘netbooks’ – mais de 30 milhões de equipamentos vendidos este ano – irão continuar a registar taxas de crescimento superiores às dos computadores pessoais, prevendo-se que as vendas ultrapassem 40 milhões de unidades no próximo ano.

Fibra óptica vai ser dominante nos novos assinantes
O efeito conjugado da expansão dos serviços de computação em nuvem, da explosão de equipamentos móveis e da multiplicação de aplicações de banda larga, nomeadamente de vídeo, vai provocar uma pressão adicional sobre as redes públicas de comunicações. Assim, e de acordo com as previsões da IDC, os operadores de comunicações a nível mundial vão continuar os seus esforços de implementação de fibra óptica com o objectivo e satisfazer a procura residencial de serviços de comunicações. As previsões da IDC apontam para que, em 2013, 80% dos novos assinantes de serviços de acesso à Web na Europa Ocidental serão em fibra óptica. Por outro lado, e associado ao sucesso do modelo de computação em nuvem, muitos dos operadores de serviços de comunicações móveis irão associar-se aos fornecedores destes novos serviços para disponibilizar serviços wireless integrados nas suas ofertas, assinalam os analistas da IDC.
Aplicações móveis, equipamentos móveis e serviços de computação na nuvem irão ter um impacto acrescido nas aplicações de negócio, nomeadamente através do aparecimento de uma nova geração de aplicações, que os analistas da IDC designam como “socialytic” – a fusão das aplicações de negócio tradicionais com o software de colaboração, de redes sociais e analítico.

Fusões e aquisições em alta
Por último, os analistas da IDC destacam que esta “transformação” da indústria de TIC irá acelerar o processo de fusões, aquisições e parcerias no mercado mundial. Empresas como a Dell, que necessitam de reforçar a sua posição como fornecedores de serviços, como a Oracle, que necessita de demonstrar as suas competências como fornecedor de soluções de TI, como a IBM, que poderá surpreender o mercado com a aquisição da Juniper Networks, ou como a Canon, que necessita de reforçar a sua posição nos serviços, poderão ser sérios candidatos à fusões e aquisições. Por outro lado, a consolidação de posições na oferta de serviços de computação na nuvem poderão levar outras empresas, como a Amazon, a Google, a Hewlett-Packard, a SAP a incluir as fusões e aquisições na sua estratégia de crescimento neste mercado. Esta nova realidade poderá ainda empurrar as empresas de serviços e os operadores de telecomunicações para este processo, referem os analistas da IDC.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado