Empresas dos EUA bloqueiam Facebook e Twitter

É dos que gosta de actualizar e consultar a sua página no Twitter ou no Facebook enquanto se encontra no local de trabalho? Talvez seja melhor pedir primeiro autorização à sua chefia para o fazer. É que o acesso a redes sociais, como o Twitter, o Facebook e o MySpace já não é permitido em 54 por cento das empresas dos Estados Unidos durante o horário laboral, de acordo com uma pesquisa da consultora especializada em gestão de emprego Robert Half Technology.

O estudo mostra que 19 por cento das empresas aceitam o uso de redes sociais para fins profissionais, enquanto 16 por cento admitem o uso pessoal destas ferramentas.
Apenas 10 por cento dos 1400 CIOs entrevistados nesta pesquisa afirmam permitir acesso total às redes sociais durante horas de trabalho por parte dos seus funcionários.
“Aceder a redes sociais pode desviar a atenção dos empregados de outras prioridades e, por isso, é compreensível que algumas companhias limitem o seu uso”, diz o director executivo da Robert Half Technology, Dave Wilmer. “Para algumas profissões, porém, esses sites podem ser usados como ferramentas eficazes para o negócio, e esse pode ser o motivo porque uma em cada cinco empresas permite o seu uso para propósitos relacionados ao trabalho.”

 

 

Impacto de 1,5% na produtividade 

 

Um outro estudo divulgado no Verão passado concluiu que as redes sociais podem ser prejudiciais à produtividade das empresas. Com efeito, a Nucleus Research, empresa de estudos de mercado na área da tecnologia, divulgou em Julho um estudo que aponta uma queda de 1,5 por cento na produtividade dos empregados que acedem ao Facebook no trabalho. A pesquisa também mostra que 77 por cento dos 237 profissionais entrevistados, que possuem contas no Facebook, entram no site durante as horas de expediente.
O estudo da Nucleus revela que “alguns” empregados passam até duas horas por dia no site, mas não especifica o número exacto de pessoas que se encaixam nessa categoria. O estudo também aponta que um em cada 33 trabalhadores acede ao Facebook apenas no trabalho. Destes, 87 por cento dizem não ter motivos profissionais para aceder à rede social.
Refira-se a título de exemplo que, em Agosto passado, a Marinha dos Estados Unidos veio reafirmar a proibição do uso de redes sociais por parte das suas tropas.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado