HP colocou no mercado o IT Financial Management

A Hewlett-Packard anunciou o lançamento da HP IT Financial Management, solução de gestão financeira das Tecnologias de Informação, concebida para permitir que os decisores de negócio das empresas possam gerir as suas TI como um negócio. Esta nova solução é composta por três pilares fundamentais  – Project Portfolio Management Center, Asset Manager e  Financial Planning & Analysis.

Muitas das organizações de operação e desenvolvimento de TI carecem da maturidade necessária para demonstrar, de forma efectiva, o valor de negócio de todos os investimentos e operações. É como se as TI e o negócio falassem linguagens diferentes e não estivessem em sintonia.
“Esta falta de comunicação significa que mais de 35% do orçamento médio que os decisores de negócio gerem, podiam ser utilizados para inovar e criar novas capacidades”, refere Filipe Ribeiro, Sales Manager da HP Software & Solutions para Portugal

 

Três pilares:

PPM Center: é responsável pela gestão do portefólio, com base em cenários para melhorar a tomada de decisões de investimento e o alinhamento com o negócio, ponderando o risco, o valor para o negócio e os recursos disponíveis. Inclui elementos como a análise detalhada de cash-flow, conhecimento do estado de investimentos em tempo real ou comparação de múltiplos cenários orçamentais.
Asset Manager: encarrega-se da gestão financeira de activos e serviços de TI, desde a gestão de contratos e provedores até ao controlo de custos dos activos e serviços, incluindo imputação de custos de manutenção e operação, custo total de propriedade dos serviços de TI, imputação de custos de serviços de TI a departamentos e unidades de negócio, assim como a gestão da cobrança de serviços.
Financial Planning & Analisys: oferece uma análise financeira detalhada de TI a partir de perspectivas distintas, quer dos clientes e utilizadores das linhas de negócio, como das diferentes equipas e organizações de TI, quanto aos custos planificados versus os actuais por iniciativas, serviços, aplicações e projectos. Indica qual o custo total de cada serviço de negócio, os serviços mais caros e a razão subjacente a isso, onde estão as maiores ineficiências ou que áreas funcionais representam a principal prioridade na estratégia de melhoria contínua do serviço.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado