Storage Management Resource emerge como condição para controlar custos

Evitar o custo de comprar novo hardware para armazenamento é o maior êxito da utilização de uma ferramenta de gestão de armazenamento.

Os directores de Sistemas de Informação, debaixo de uma pressão crescente para reduzirem os gastos, não podem permitir-se ter enormes quantidades de espaço não utilizado em disco ou em tapes, nem contratar novos especialistas em gestão de armazenamento.


 


A situação já era bastante complicada em ambientes mainframe com um só sistema operativo e um ou dois tipos de armazenamento físico, mas tornou-se muito mais complicado num sistema de armazenamento em rede com conjuntos de discos, switches, adaptadores de bus de host e sistemas operativos de servidor originários de uma variedade de empresas diferentes.


 


Por seu lado, os utilizadores, confrontados com esta pressão, estão também eles a pressionar os fabricantes e fornecedores para que estes sejam capazes de oferecer soluções capazes de gerir hardware e software de armazenamento de dados provenientes de múltiplos fornecedores.


 


As empresas que têm em funcionamento sistemas distribuídos (ex. Unix ou Windows) gerem com frequência a mesma quantidade de dados que antes só se podia encontra num mainframe.


 


No entanto, os ambientes distribuídos carecem ainda de sofisticadas ferramentas de gestão de dados que permitam aos DSI de sistemas prever e monitorizar o aumento do armazenamento para utilizar de forma óptima o seu espaço em disco.


 


Devido à falta de ferramentas potentes para múltiplas plataformas, os directores de sistemas têm que gastar dinheiro adicional para adquirir suporte técnico e monitorizar múltiplas ferramentas de controlo de armazenamento para diferentes tipos de aplicações, hardware de armazenamento ou sistemas operativos de servidor.


 


E também é mais difícil para eles configurar o seu armazenamento. E possivelmente o pior de tudo é que as empresas acabam a comprar mais espaço de armazenamento, havendo ainda espaço por utilizar nas unidade de disco existentes, por não disporem de uma forma fácil de encontrar o espaço não utilizado.


 


A gestão do armazenamento é uma prática que consiste em optimizar a forma em que os dados são distribuídos entre unidades de tape ou disco para que possam ser armazenados e extraídos da mais maneira mais económica possível, mantendo-os seguros e em forma de reserva ou backup para o caso de uma falha do sistema.


 


A gestão do armazenamento pode dividir-se em diferentes níveis de capacidades.


 


O primeiro é nível de Gestão de Recursos de Armazenamento ou Storage Resource Management (SRM).


 


A este nível, as ferramentas simplesmente mantém uma mapa dos dispositivos do armazenamento físico e lógico existentes e mostram a forma como estão a ser utilizados.


 


Embora a gestão SRM tenha alcançado bastante maturidade em ambientes mainframe, no mundo distribuído de Unix e Windows ainda se encontram na sua infância.


 


As ferramentas de segundo nível realizam a gestão de dados, o que significa manter os dados seguros e disponíveis, e incluem capacidades comuns como as de backup, replicação e restauração de dados.


 


As ferramentas desta categoria são as mais maduras.


 


A gestão de redes de armazenamento ocupa o terceiro nível e inclui a identificação e monitorização do rendimento dos componentes numa rede de armazenamento, como os concentradores o “hubs”, comutadores, discos ou conjuntos de discos baseados em host.


 


As ferramentas desta categoria podem também fornecer informação sobre o rendimento desses componentes e possuem alguma capacidade de optimizar e apurar o rendimento.


 


O quarto nível é a virtualização do armazenamento, isto é, a capacidade de tratar certo número de dispositivos de armazenamento físico como uma única unidade lógica.


 


Embora esta capacidade esteja amplamente disponível no mundo mainframe, começou recentemente nos sistemas abertos.


 


E para complicar ainda mais as coisas alguns fornecedores desejam também realizar a gestão do armazenamento num servidor; outros desejam num numa SAN, entre outras possibilidades.


 


Idealmente, a gestão do armazenamento deve abarcar também diferentes tipos de armazenamento, desde redes SAN, passando pelo armazenamento conectado à rede até ao armazenamento conectado directamente dentro de servidores a JBOD (um grupo de discos) entrelaçado com servidores através de ligações SCSI.


 




Deixe um comentário

O seu email não será publicado