Indústria norte-americana de TI divide-se entre Bush e Kerry

Para onde vão os donativos financeiros para as campanhas de George W. Bush ou John Kerry? A indústria das TI parece apostar nos dois candidatos e reparte quase equitativamente o bolo financeiro

Num novo ano difícil para a indústria das tecnologias de informação norte-americana, as contribuições financeiras das empresas do sector para os dois grandes candidatos à eleição presidencial norte-americana, George W. Bush e John Kerry, não podiam deixar de reflectir esta realidade.


 


ssim, durante o ciclo eleitoral de 2004 decorrido até 5 de Julho, o envelope financeiro ascendeu apenas a 14,8 milhões de dólares, sendo que cerca de 51% da quantia foi atribuída aos republicanos.


 


O montante das contribuições políticas diminuiu assim face aos 39,6 milhões de dólares de doações em 2000 e aos 26,7 milhões de dólares em 2002.


 


Uma das causas apontadas é o final do boom da dot-com, mas para Rick White, CEO da TechNet, a regulamentação das doações de soft money surge como o principal motivo para a diminuição das verbas atribuídas às campanhas.


 


Com efeito, no ano de 2000, antes da regulamentação das doações de soft money, as contribuições feitas em forma de soft money ascenderam a 20,4 milhões de dólares.


 


As empresas não podem fazer doações directas aos partidos, por isso contribuem através de Political Action Committees (PACs) e através das doações dos seus empregados individuais.


 


A Microsoft é a empresa de Tecnologias de Informação que mais contribuiu para as campanhas eleitorais de 2004.


 


O PAC da Microsoft e os seus empregados doaram aproximadamente 1,9 milhões de dólares aos candidatos federais e a grupos políticos.


 


As contribuições da Microsoft são mais de três vezes superiores às de qualquer outra empresa do sector das TI, segundo a Opensecrets.org.


 


O PAC da Microsoft e os seus empregados classificam-se como o 19º maior contribuinte para a campanha de Bush durante o ciclo eleitoral de 2004, contribuindo aproximadamente com 185 mil dólares até princípios de Julho.


 


Já na campanha de Kerry, a Microsoft ocupa o 13º lugar na lista dos maiores contribuintes, tendo doado 136 mil dólares ao senador democrata do Massachusetts.


 


Do total de 1,9 milhões de dólares de doações da Microsoft cerca de metade provém das contribuições de empregados individuais.


 


Os democratas ficaram com 61% do total das doações, apesar do PAC da Microsoft apenas lhes ter concedido 47% das suas contribuições.


 


A Microsoft , assim como a maioria das empresas do mesmo ramo, afirma ser contra a política da empresa comentar os financiamentos feitos pelo seu PAC aos candidatos.


 


Por sua vez a IBM tem uma política corporativa contra as contribuições do PAC, pelo que o total das suas contribuições provém das doações individuais dos seus empregados.


 


A IBM classifica-se como o quarto maior doador na lista dos principais contribuintes durante o ciclo eleitoral de 2004 nos Estados Unidos da América.


 


No entanto, nos números da Opensecrets.org de 5 de Julho não abrangem os cerca de 2 milhões de dólares em tecnologia e serviços concedidos pela IBM às convenções políticas dos dois partidos.


 




Deixe um comentário

O seu email não será publicado