Europeus e norte-americanos são os mais bem pagos

A Suiça é o país onde os profissionais de TI são mais bem pagos em todo o mundo, segundo um estudo da Mercer Human Resource Consulting

Os níveis de pagamento entre os profissionais corporativos de Tecnologias de Informação variam consideravelmente à volta do Mundo, de acordo com o Estudo Mundial 2003/2004 IT Function Salary Differentials Worldwide realizado pela Mercer Human Resource Consulting.


 


Segundo este estudo, os salários em TI são geralmente mais elevados na Europa Ocidental e na América do Norte do que na Ásia e na Europa de Leste.


 


Especificamente, as TI são pagas no seu valor mais elevado na Suíça, de seguida na Alemanha, Japão, Hong Kong, EUA e Dinamarca.


 


O pagamento dos profissionais de TI é mais baixo nas Filipinas, de seguida no Vietname, Bulgária, Malásia, Indonésia e Índia.


 


O estudo da Mercer inclui dados de pagamentos de mais de 43.000 profissionais de tecnologias de informação em quase 3.300 empresas em 32 países.


 


A análise das diferenças de pagamento é baseado na categorização de quatro níveis de especialização de funções em TI: chefe de equipa/profissional sénior, supervisor/profissional experiente, manager/especialista e gestor sénior/perito.


 


Segundo David Van De Voort, global leader do grupo IT Workforce Effectiveness da Mercer, indica que as variações de pagamentos não são necessariamente consistentes através dos quatro níveis de função.


 


“Em alguns países, todos as funções em TI são melhor ou pior pagas face a outros países, mas existem também países em que o pagamento para um nível de especialização em TI é significativamente diferente do que um nível superior ou inferior de especialização em TI nesse mesmo país,” afirma Van De Voort.


 


 


Diferenças entre os vários países


 


Entre os países com os mais elevados pagamentos, existem diferenças consideráveis nos níveis de pagamento dos empregos em TI.


 


Por exemplo, o México é o décimo país que melhor paga no nível da especialização de topo (gestor sénior/perito), mas fica em 20º no ranking no nível de experiência mais baixa (chefe de equipa/profissional sénior).


 


Hong Kong e Itália ficam no segundo e nono lugar, respectivamente, no nível gestor sénior/perito e décimo e 15º, respectivamente, no nível chefe de equipa/profissional sénior.


 


“As diferenças no ranking dos países para os quatro níveis de especialização em funções de TI são provavelmente resultado da procura e oferta local, da maturidade da indústria de TI no país e da progressão das práticas de impostos de cada nação,” explica Van De Voort.


 


De acordo com Van De Voort, os países com os mais elevados pagamentos apresentam preferências por certos níveis de especialização.


 


Nos países com os pagamentos mais reduzidos, o pagamento tende a ser consistentemente baixo ao longo de todos os níveis de especialização.


 


 


Bónus e incentivos


 


Os países com os pagamentos mais reduzidos entregam uma percentagem larga do total do salário na forma de incentivos variáveis de curto prazo, revela o estudo da Mercer.


 


Entre os 10 países com os pagamentos mais reduzidos, a percentagem de pagamento variável situa-se entre uma escala elevada de 15% e baixa de 3%, com a maioria dos países a apresentaram uma componente variável de pagamento de 8%.


 


Nos países com os mais elevados pagamentos, a percentagem de pagamento variável situa-se entre uma escala elevada de 10% e baixa de 1%, sendo que a prática típica representa 4%.


 


“Apesar da cultura Americana ser considerada agressivamente competitiva e empreendedora, as empresas dos Estados Unidos da América distribuem actualmente uma proporção mais baixa de pagamento por performance do que 29 dos 32 países,” afirma Van De Voort.


 


“Apenas a Suécia, a França e o Reino Unido apresentam valores inferiores no ranking. O Vietname, a China e a Bulgária oferecem uma percentagem maior de pagamento por incentivos no salário total do que os EUA.”


 


A Indonésia, a Bulgária, a Índia e o Japão apresentam a percentagem maior de pagamento por risco(10% a 15%) no nível mais baixo de experiência em TI (chefe de equipa/profissional sénior).


 


No nível mais elevado de experiência em TI (gestor sénior/perito), o Brasil, a Alemanha e o Canadá apresentam a percentagem maior de pagamento por risco (18% a 20%).


 




Deixe um comentário

O seu email não será publicado