Feedzai cresce 75% em volume de negócios

A startup facturou perto de 35 milhões de dólares durante 2016, mas firmou contratos no valor de 130 milhões.

nuno-sebastiao-ceo-da-feedzai

Nuno Sebastião, CEO da Feedzai

Depois de facturar cerca de 20 milhões de dólares em 2015, a Feedzai cresceu perto de 75%. Atingiu um volume de negócios superior a 35 milhões, com o valor dos contratos estabelecidos no ano transacto a mais do que duplicar e passar os 130 milhões

A startup, focada na aplicação de tecnologia de inteligência artificial na detecção de fraudes em processos de pagamento, quer contratar cerca de 200 novos profissionais para a equipa nos próximos anos. Desse conjunto, 115 serão para operações em Portugal, incluindo as de suporte ao cliente, disse ao Jornal de Negócios, Nuno Sebastião, CEO e co-fundador da startup.

Mas o objectivo de aumentar a equipa tende a ser difícil de alcançar. Já em  2016, o crescimento registado levou a empresa à contratação de especialistas na área de engenharia e ciência de dados, no que resultou num crescimento da sua estrutura de recursos humanos, para 150 trabalhadores. Ao todo foram integrados mais 70, diz um comunicado.

Contudo, a Feedzai queria contratar mais. “Em 2016 tínhamos como objetivo terminar o ano com 175 colaboradores, o que não foi possível porque simplesmente não encontrámos as pessoas certas para se juntarem à empresa”, diz Nuno Sebastião.

A obtenção de talento para a empresa será um dos grandes desafios da empresa durante 2017 reconhece. “Competimos com as maiores empresas tecnológicas na busca deste talento, e orgulha-mo-nos de contar com parte do top 1% de talentos na área de ‘data science’”.

A empresa adianta ainda, que prevê empregar cerca de 700 mil dólares em formação dos seus profissionais, ao longo do corrente ano. Uma ronda de financiamento, organizada em Outubro de 2016 com a norte-americana Citi Ventures, teve como principal objectivo suportar a expansão das ofertas da empresa para novas geografias, nomeadamente na Ásia-Pacífico.

Os planos da empresa passam pela abertura de novos escritórios nessa zona, mas também na Alemanha.A startup está presente em Londres Nova Iorque e San Mateo, com unidades distribuídas por Lisboa, Porto, Coimbra, em Portugal.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado

sixteen + ten =