ICSA Labs certifica solução de segurança da Kaspersky

Durante os testes, a solução agora certificada, só deixou escapar três de 550 ataques, o que lhe valeu a certificação pela entidade independente.

Alfonso Ramirez_director-geral da Kaspersky Lab para Portugal e Espanha_dest

Alfonso Ramirez, director-geral da Kaspersky Lab para Portugal e Espanha

A plataforma anti-ciberataques direccionados da Kaspersky (Kata) foi certificada pelo ICSA Labs, na sequência de testes independentes realizados por este laboratório, que se focaram na “eficiência de soluções especializadas para proteger empresas de ameaças avançadas e direccionadas”.

Solução da Kaspersky Lab foi sujeita a uma “simulação altamente complexa de infra-.estrutura corporativa sob constantes ataques” e “destacou-se por detectar 99,44% dos ataques”, avança o fabricante de soluções de segurança em comunicado.

Em nota enviada à imprensa o fabricante de antivírus e outras soluções explica que esta avaliação que se foca na eficiência de soluções especializadas para proteger empresas de ameaças avançadas e direccionadas “raramente é realizada”. Sublinhando ainda que “estabelecer um ambiente para a avaliação justa do nível de protecção contra este tipo de ameaças é mais desafiante do que os testes para a prevenção de ataques generalizados”.

Durante 33 dias foram realizados um total de 550 ataques e enviadas 377 “amostras limpas”. 99,44% dos ataques foram detectados e registou-se apenas um falso positivo.

Os testes tiveram a duração de 33 dias, tendo sido realizados um total de 550 ataques. O cenário desenvolvido em laboratório incluía ainda o envio de 377 “amostras limpas” (objectos benignos que apresentam algumas características suspeitas que podem ser qualificadas como maliciosas) para uma rede protegida, explica a Kaspersky.

Segundo a ICSA Labs, os ataques envolveram objectos maliciosos novos e pouco conhecidos, incluindo aqueles que não ainda não tinham sido detectados pelas soluções de prevenção tradicionais no momento do teste.

Para além da detecção da maioria dos ataques simulados, apenas três não foram identificados, só foi registado um falso positivo de um objecto benigno.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado

1 × 3 =