TI dominam candidaturas ao Prémio Inovação Nos

O concurso relativo a 2016 vai ter 33 finalistas e 55% são startups.

prémioA Nos revelou os 33 finalistas para o seu Prémio Inovação 2016, 55% dos quais startups, mas incluindo também organizações como a Glintt e a Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS). Sector da consultoria, desenvolvimento de software e tecnologia (TI) foi o sector de actividade mais representado, com 22% das candidaturas na segunda edição do prémio.

Seguiu-se o turismo, media e telecomunicações, saúde, entre outros. Os vencedores serão conhecidos “no primeiro trimestre deste ano”, diz um comunicado.

Os candidatos concorrem por prémios em três categorias: startups, PME e grandes empresas. Segundo a organização do concurso é possível aferir que, do ponto de vista sectorial, o impacto das soluções apresentadas difere nas várias categorias. Nesta linha, os sectores de media e telecomunicações e turismo e lazer são os mais impactados pelas startups.

Mas na categoria de grandes empresas destaca-se o sector da banca e seguros. A área da saúde, farmacêutica e apoio Social é aquele com maior potencial impacto na categoria de PME.

O processo de selecção das melhores candidaturas coube à Pricewaterhouse Coopers.

Quase metade das empresas candidatas está sedeada em Lisboa (42%), seguindo-se no Porto (25%) e na restante região Norte (12%). A avaliação das candidaturas foi desenvolvida com base na análise integrada de diferentes dimensões, considerando a caracterização da solução, o impacto económico no mercado e a mentalidade de inovação de cada um dos casos apresentados, diz o comunicado.

O processo de selecção das melhores candidaturas coube à Pricewaterhouse Coopers. E os vencedores serão seleccionados por um júri de oito elementos, em representação das várias entidades ligadas à iniciativa e ao sector empresarial: Dinheiro Vivo, TSF, Nos, StartUp LX, AESE, EDP Inovação, UPTEC Porto e PwC.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado

three × 1 =