Google dinamiza iniciativa “Atelier Digital” no país

Setúbal, Leiria, e Aveiro serão as primeiras cidades a receber, em 2017, a formação presencial gratuita em português e cursos online estão disponíveis na plataforma, a partir desta segunda-feira.

francisco-ruiz-director-de-assuntos-institucionais-google-portugal-e-espanha-e-maria-fernanda-rollo-secretaria-de-estado-da-ciencia-tecnologia-e-ensino-superior-e

Francisco Ruiz, director de assuntos-institucionais da Google Portugal e Maria Fernanda Rollo, secretaria de Estado da Ciencia Tecnologia e Ensino Superior

A Google apresentou hoje a iniciativa Atelier Digital em Portugal, a qual inclui uma plataforma para formação em competências digitais, destinado a pessoas empregadas ou desempregadas. O programa tem o apoio do ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, do Centro Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos e da SIC Esperança.

Os cursos serão ministrados numa primeira fase online e, a partir do início de 2017, também num regime presencial em Setúbal, Leiria e Aveiro. Estas serão as primeiras cidades a receberem sessões gratuita para pessoas com ou sem grau académico, empregados ou desempregados.

Na formação online estarão disponíveis 23 módulos que cobrem diferentes áreas de competências digitais, como por exemplo, pesquisa, email, redes sociais,, vídeo, e-commerce e analítica da Internet. A formação é baseada em tutoriais em vídeo seguidos de actividades. De modo a testarem os seus conhecimentos os formandos terão disponível no final um teste que lhes permitirá obter uma certificação reconhecida pela IAB Europe.

Os cursos presenciais de três dias vão incluir formação em optimização para motores de pesquisa (SEO), marketing para motores de pesquisa (SEM), marketing nas redes sociais e plataformas móveis, analítica de Internet e internacionalização.

“A literacia digital, a aprendizagem de código e, em geral, a aquisição de competências digitais, contribui para aumentar a participação dos cidadãos no inexorável mundo digital em que a utilização intensiva das TIC domina progressivamente todas as dimensões da actividade humana.  Nesse sentido, o código surge como uma condição de cidadania do futuro”, considerou Maria Fernanda Rollo, secretária de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado

5 × five =