Europeus utilizam mais telemóvel no estrangeiro mas receiam custos

Portugueses viajam pouco e usam principalmente roaming de serviços de voz.

Os europeus estão a utilizar mais o telemóvel quando viajam para o estrangeiro mas ainda receiam os custos dessas comunicações, revelou o inquérito “Roaming in 2010“, divulgado hoje pela Comissão Europeia.
Os portugueses são dos que menos viajam para a União Europeia mas, quando o fazem, são o principal país cujos inquiridos desligam o telemóvel ou o deixam em casa – à frente da Bulgária, Hungria, Alemanha, Áustria e Polónia. Portugal está também no grupo de países cujo padrão de uso do roaming é principalmente em serviços de voz.
Entre os países cujos cidadãos menos viajaram nos últimos quatro ou cinco anos, encontram-se a Bulgária (82%), Grécia (77%) e, logo a seguir, Portugal (72%).
No total dos inquiridos, quase 75% “estão preocupados com o custo da utilização do telemóvel quando viajam na UE”, refere a Comissão em comunicado. “72% dos viajantes ainda limitam as suas chamadas em roaming, devido às tarifas elevadas, ainda que a maioria saiba que os preços baixaram desde 2006. Apenas 19% das pessoas que utilizam serviços ligados à Internet no seu telemóvel quando estão no estrangeiro consideram justo o custo das comunicações de dados em roaming (por exemplo, navegar na Internet ou ver o correio electrónico)”.
Os dados do inquérito revela ainda que o número de utilizadores do telemóvel em viagem na UE “é maior do que há quatro anos” e que, apesar do “decréscimo de 13% no número de viagens entre 2006 e 2010, o volume total de chamadas recebidas e de SMS enviados por cidadãos da UE quando em viagem noutros Estados‑Membros aumentou durante esse período. Os viajantes dizem ter efectuado mais 32% de chamadas, recebido mais 31% e enviado mais 43% de mensagens de texto desde 2006″.
Dos viajantes frequentes, 61% sabem que os preços do roaming baixaram mas “cerca de um em cada 5 utilizadores de dispositivos móveis reduziu a sua utilização” destes nos últimos quatro anos, sendo a principal razão a percepção do seu custo. Por esta razão, 72% dos utilizadores continua a limitar as chamadas vocais móveis no estrangeiro, sendo que 81% dos suecos, 72% dos italianos e 57% dos gregos utilizam menos os serviços de voz em roaming por receio do seu custo.
O inquérito revela ainda alguns hábitos no espaço europeu relativamente às comunicações. Segundo o comunicado:
- os homens são mais propensos a efectuar chamadas vocais (57%), enquanto as mulheres preferem enviar mensagens de texto (56%);
- 88% dos cipriotas utilizam sobretudo os serviços vocais, mas apenas 44% dos britânicos que viajam o fazem;
- 81% dos irlandeses utilizadores de telemóveis em roaming na UE preferem as mensagens de texto, mas, entre os portugueses, essa percentagem é de apenas 24%;
- 32% dos búlgaros não utilizam de todo os seus telemóveis no estrangeiro;
- em relação a 2006, é agora mais provável os jovens utilizarem os serviços de roaming (efectuar chamadas vocais: +43%; receber chamadas: +42% e enviar mensagens de texto: +51%);
- 30% das pessoas reformadas e 15% das pessoas na faixa etária dos 25-39 anos não utilizam de todo o telemóvel no estrangeiro.
Um em cada 10 dos inquiridos usa serviços de dados em roaming (como navegação na Internet ou descarregamento de dados). 17% dos lituanos e 15% dos espanhóis afirmam mesmo que o roaming de dados é o serviço que mais utilizam no estrangeiro, contra apenas 2% dos húngaros e 4% dos alemães.
São os jovens quem mais usa este tipo de serviços: “15% dos jovens entre os 15 e os 24 anos preferem navegar no seu telemóvel quando se encontram no estrangeiro” mas “essa percentagem é de apenas 6% para as pessoas com mais de 55 anos”. Mas apenas 19% dos inquiridos consideram justo o custo desses serviços de dados em roaming.
A Comissão pretende usar os resultados do inquérito na revisão das actuais regras da UE em matéria de roaming, até Junho de 2011. Nos objectivos da Agenda Digital para a Europa, quer-se tornar “quase nula a diferença entre as tarifas do roaming e as das chamadas nacionais até 2015″.
No inquérito especial Eurobarómetro sobre roaming – que decorreu entre Agosto e Setembro de 2010 nos 27 Estados-Membros da UE – foram questionadas mais de 26.500 pessoas, principalmente possuidores de telemóvel e que tinham viajado nos últimos cinco anos na UE. Em Portugal, foram inquiridas 1011 pessoas.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado