Toda a verdade sobre o armazenamento na nuvem

Análise a situações específicas de utilização de armazenamento cloud e como obter benefícios desse armazenamento.

Apesar de alguma confusão sobre o que realmente significa o conceito de armazenamento na cloud e de que forma pode ser usado pelas empresas, poucos avanços na área do armazenamento têm sido alvo de tanta atenção como este “cloud storage”. Compreensivelmente, os profissionais de TI estão curiosos quanto à possibilidade de reduzirem a sua dependência face aos recursos internos, eliminarem a despesa de capital e melhorarem a estrutura de custos de determinadas partes do seu ambiente de armazenamento se aderirem ao armazenamento na nuvem. Paralelamente, todos os fabricantes que têm soluções nesta área estão a puxar da cartada da cloud computing para aproveitar a onda de aceitação à volta da tecnologia. Para ajudar a separar o que é aparência do que é realidade, a Forrester define desta forma o armazenamento cloud: a capacidade de armazenamento que é desagregada do ambiente de computação primário, sendo a localização, propriedade e operacionalidade dos recursos de armazenamento geridas por um ou mais prestadores de serviços externos.
Embora possa ser tentador pensar (e promover) que a cloud computing irá eliminar de uma vez o armazenamento em centros de dados tal como o conhecemos hoje, a realidade não é bem assim. Não há passes mágicos na nuvem e o conceito de uma arquitectura consistente geograficamente separada do centro de dados principal não se adapta a todos os casos. Por isso, clientes e fornecedores devem analisar cuidadosamente o seu caso específico e se o volume de dados em causa pode ser adequadamente provisionado através de uma arquitectura cloud.
A maioria das opções que existem hoje no campo do armazenamento na nuvem centram a sua mensagem no baixo preço das soluções mas descuram a segurança, escalabilidade e confiança de que as empresas tanto necessitam. Um estudo recente da Forrester concluiu que, actualmente, apenas três situações específicas de utilização de armazenamento cloud estão prontas a avançar:

1. Aplicações tudo-na-nuvem com o seu próprio armazenamento
Este tipo de modelo permite que os recursos de servidor e armazenamento continuem implementados mas, simplesmente, já não se encontram dentro das quatro paredes da empresa. Com esta mudança, a integridade dos dados, a sua resistência a ataques exteriores e o backup da aplicação passam a ser da responsabilidade do fornecedor de software-as-a-service (SaaS), que à partida tem mais recursos e mais experiência que os seus clientes.

2. Backup na nuvem
As opções disponíveis no mercado diferem do tradicional serviço de cópia de segurança em outsourcing, na medida em que normalmente consistem num sistema de rede globalmente disperso e utilizado por múltiplos clientes que aloja todos os seus dados numa infra-estrutura segura e de baixo custo.

3. Armazenamento de ficheiros na nuvem
Muitas empresas com escritórios espalhados por múltiplas áreas geográficas já recorrem às WAN para obter serviços centralizados de ficheiros, pelo que a migração deste conteúdo para uma solução de cloud computing não é algo radical. É especialmente uma boa opção para os dados menos críticos e de pouca frequência no acesso, tais como arquivos e informações de projectos antigos.

Depois de analisados estes casos específicos, para perceber quais são, na realidade, as necessidades da empresa, há que seleccionar os fornecedores certos, ou seja, os que contem com as instalações, infra-estrutura e aplicações de gestão de armazenamento mais adequadas. Se for bem feito, o armazenamento na nuvem tem o enorme potencial de libertar os profissionais de TI das tarefas complexas e morosas de gestão do armazenamento da empresa. Há apenas que se certificar de que se estão a fazer migrar os volumes de dados mais adequados e fazê-lo com um certo cuidado, avaliando os riscos e os benefícios de o fazer.
Todos os fornecedores de infra-estrutura estão a esforçar-se ao máximo para seduzir clientes, mas os mais inovadores serão aqueles que compreendam bem o seu negócio e ofereçam uma solução viável que resolva os seus problemas específicos. Não actue apenas para validar um novo modelo de negócio – tome as decisões que melhor respondem aos desafios de gerir os dados da sua empresa. Para obter todos os benefícios do armazenamento cloud sem pôr em perigo a eficácia operacional e aumentar o nível de risco, deve:

a) ser específico quanto ao tipo de dados a armazenar e utilização dos mesmos
Existem limitações quanto aos tipos de dados que funcionam melhor num ambiente cloud. Pode ter a certeza de que as coisas não irão correr bem se os dados a armazenar não se enquadrarem num dos três cenários acima descritos. Talvez num futuro próximo, sejam feitos melhoramentos ao nível da computação, do acesso remoto à cache ou da optimização WAN para permitir que as aplicações de bases de dados recorram ao armazenamento em localizações remotas, mas isto não deverá verificar-se tão cedo.

b) ter em conta o perfil de risco dos dados a armazenar fora da empresa
As soluções de armazenamento na nuvem são ainda recentes no mercado, pelo que faz sentido começar por migrar os dados menos críticos. As empresas com vários tipos de dados devem criar uma classificação de risco e uma política que defina quais os dados susceptíveis de serem guardados na nuvem. As soluções disponíveis diferem em termos de credibilidade ao nível da segurança, pelo que se aconselha prudência. Exija um elevado nível de transparência dos seus fornecedores no que toca às suas capacidades e fragilidades, pois só assim será possível construir uma relação de confiança benéfica para ambas as partes.

c) analisar com atenção os contratos
Certifique-se que o fornecedor detalha os SLAs (acordos de nível de serviço) no contrato, descrevendo exactamente o que vai ser fornecido, os níveis de desempenho e disponibilidade garantidos, as medidas em vigor para proteger o acesso aos dados e as penalizações por violação desses SLAs. Uma boa capacidade de armazenamento e boas capacidades de provisionamento dos dados não são suficientes. Pressione para que sejam clarificadas as obrigações contratuais que regem estes acordos e estabeleça expectativas adequadas.

Leave a Reply

Your email address will not be published.